Pobre fazendo Pobrice em livre demanda

Mulher critica em rede social uma foto de uma mãe amamentando: ‘Pobre fazendo pobrice’

Sabe, eu sempre levei o ato de amamentar de forma muito natural.

Não, natural, não. Na verdade, antes mesmo de ser mãe eu sempre achei DIVINO o ato de amamentar, sempre admirei essa troca de amor, essa troca de olhares, sempre quis passar por isso na vida.

Quando fiquei grávida, uma das minhas maiores angústias era a de não poder amamentar. Ainda no hospital, quando só tinha colostro, eu chorei. Chorei com medo do meu leite descer. Mas desceu!

E foi MUITO dificil, mas eu sempre AMEI amamentar. E amamentava aonde dava. Já amamentei literalmente no meio da rua. Era dia de votação, a rua estava fechada, eu estava lá conversando com uns amigos em frente a um bar, o João quis mamar, não tinha lugar no bar, eu pedi uma cadeira, coloquei uma cadeira no meio da rua e amamentei ali!

Juro, nunca me senti reprimida ou senti qualquer olhar de reprovação pra mim.

Não sei se era tão natural pra mim, que eu nem notava qualquer tipo de reprovação ou se realmente tive sorte.

Só sei que de uns tempos pra cá, eu tenho ficado chocada com as atitudes das pessoas.

Nessa semana, uma polêmica tomou conta da internet. Uma universitária (sim, não é nenhuma pessoa sem instrução) postou uma foto de uma mulher amamentando em uma bicicleta e começou a criticar a amamentação em público dizendo coisas absurdas como “pobre fazendo pobrice”. Veja o comentário completo:

pobre fazendo pobrice

pobre fazendo pobrice amamentação

Sabe o que me deixa mais triste? É que esse comentário partiu de uma mãe.

Eu sou mãe, não amamento mais. Mas quer saber? Se amamentar é coisa de pobre, eu nunca desejei tanto ser pobre “novamente”. Porque eu sinto uma saudade gigante de amamentar o João.

Mas infelizmente, ela é só uma em milhares de pessoas que acham amamentação nojento, vulgar. As pessoas estão prontas para verem peitos de fora durante o carnaval ou na novela, porém se chocam ao ver uma mãe amamentando.

Amamentar é lindo, é vida dando vida. E mais do que lindo, é super saudável.

O Ministério da Saúde e a Organização Mundial da Saúde recomenda a amamentação em livre demanda até os 6 primeiros meses de vida. Além disso, recomenda a amamentação até pelo menos os dois anos de idade.

Então, não deixem que ninguém te desencoraje a amamentar até quando você e seu filho quiserem. Até quando acharem que é a hora de parar.

Mas, como dizem, há males que vem para o bem. E essa polêmica encorajou muitas mulheres a postarem fotos nas redes sociais amamentando com legendas do tipo “pobre fazendo pobrice”.

E antes de tudo isso ocorrer, eu já estava com o projeto chamado Mamaço Carioca, nele eu quero conscientizar a população sobre esse ato de amor, quero reunir várias mães que irão amamentar ao mesmo tempo e fazer uma foto histórica (fotografia vai ser da empresa Joaninha Fotografia) num dos cartões postais do Rio de Janeiro.

MAMAÇO

Mais do que isso, quero aproximar mães. Então, mães que não amamentam mais, mas apóiam a amamentação são muito bem vindas. Precisamos de incentivo, precisamos mostrar para todas as pessoas a importância da amamentação tanto para o bebê, quanto para a mãe.

E para tornar essa manhã, mais agradável ainda, após o mamaço, a equipe dos Fabulosos vão fazer atividades bem legais com as crianças que forem ao local.

O mamaço vai ocorrer dia 22/11 às 9h na Lagoa (Parque dos Patins). Clicando aqui, você confirma a presença no evento do Facebook e ainda pode convidar todas as suas amigas mamães (que amamentam ou não).

Vamos juntar um monte de pobre e vamos fazer uma pobrice linda? Espero vocês lá.

E se você curtiu esse post, clica aqui em “Gosto” e em “Compartilhar”. Não esqueça também de curtir a gente no Facebook: http://facebook.com/maenaodorme e nem no Instagram: @blogmaenaodorme.

Para falar comigo, meu e-mail é maenaodorme@gmail.com

Beijos,

Fê!

Anúncios

Principais dúvidas sobre amamentação

Eu já tinha comentado aqui no blog sobre a minha (maravilhosa) experiência em amamentar o João.

amamentacao-mae-nao-dorme

Nesse post mencionei que na gravidez assisti muitos vídeos sobre o assunto. Vídeos esses que me ajudaram a ter uma noção, mas que não me ajudaram muito. A maioria das coisas aprendi com o dia a dia. Se acontecia alguma coisa, procurava me informar. Ah, as enfermeiras da maternidade em que o João nasceu, a Casa de Saúde São José , foram importantíssimas no início do meu aleitamento, me ajudaram muito, me deram dicas valiosas.

Eu brinco que sou ativista da amamentação. Não sou neurótica com isso, mas acho que todas as mulheres do mundo deveriam passar por essa experiência inexplicável, pelo menos uma vez na vida. Faz bem à você, ao seu filho e ao elo, a relação entre vocês dois. É uma delícia.

E hoje resolvi compartilhar com vocês esse maravilhoso vídeo da consultora em amamentação da Lansinoh, Aline Daniele Jafet, sobre as principais dúvidas sobre amamentação, tais como: pega e posições.

Queria eu que durante a minha gravidez tivesse um vídeo maravilhoso como esse. Todas (todas mesmo) as dúvidas que ela tirou durante o vídeo, eu tive antes e durante a amamentação. Coisas que me ensinaram errado e que eu fui descobrindo que era errado, fui aprendendo com o erro.

Então recomendo assistir o vídeo até o final porque tenho certeza que vai esclarecer muita coisa.

Sobre a Aline Daniele Jafet:

Baby Planner certificada internacionalmente pela IMI – International Maternity & Parenting Institute
Doula pós- parto certificada pelo GAMA – Grupo de Apoio à Maternidade Ativa
Educadora Perinatal certificada pelo GAMA – Grupo de Apoio á Maternidade Ativa
Consultora em aleitamento materno pela Lansinoh e certificada pela Casa Curumim

O que acharam do vídeo? Deixem seus comentários sobre o vídeo, se ainda restou alguma dúvida, deixe também que tentarei responder todas.

Beijos,

Nanda

Se você curtiu esse post, clica aqui em “Gosto” e em “Compartilhar”.

Não esqueça também de curtir a gente no Facebook:http://facebook.com/maenaodorme e nem no Instagram: @blogmaenaodorme.

Para falar comigo, meu e-mail é fernanda_carvalho@globo.com

Amamentar, o ato mais lindo mundo

projeto-amamente-mae-nao-dorme

Não é segredo que eu sou super a favor da amamentação. Sempre sonhei em amamentar, já contei aqui em outro post a minha experiência de amamentar o João. E sempre defendo e encorajo a amamentação.

Simplesmente eu acho uma das coisas mais lindas do mundo. Não consigo entender como alguém leva para o lado erótico, só consigo pensar que é uma pessoa doente e que precisa de tratamento.

É troca de amor, é troca de olhares, alimenta o amor da sua vida com o seu corpo. Tem coisa mais linda do que isso?

mae-amamentando-mae-nao-dorme

Nunca tive vergonha de amamentar, nunca me privei de amamentar em público e se alguém me olhou recriminando, nem reparei. Porque é tão natural pra mim que nem consigo prestar atenção ao meu redor. O momento de amamentar era meu e do meu filho apenas.

E, graças a Deus, não estou sozinha. Recentemente saiu uma pesquisa realizada em nove países e no Brasil foi constatado que 55% das mulheres acham normal amamentar em público.

A importância de amamentar vai muito além de apenas criar laços entre mãe e filho. O leite materno colabora para a formação do sistema imunológico da criança, previne alergias, obesidade, melhora o desenvolvimento cognitivo e traz diversos outros benefícios.

Um estudo realizado pela Lansinoh Laboratórios, líder mundial em acessórios para a amamentação, com mais de duas mil mães brasileiras em fase de amamentação, mostrou que, para 91,1% das entrevistas, entre 18 e 40 anos de idade, a principal razão para amamentar está ligada aos benefícios com a saúde do bebê.

A pesquisa foi realizada em nove países ( Brasil, China, França, Alemanha, Hungria, México, Turquia, Reino Unido e Estados Unidos) com mais de 13 mil mulheres e também mostra que China e França possuem o maior percentual de mães que consideram amamentar em público constrangedor. No Brasil, um dos mais elevados índices da pesquisa mostrou que 55% das mães acreditam ser um ato natural e somente 2,5% das entrevistadas consideram amamentar em público algo errado ou desnecessário.

mulher-amamentando-mae-nao-dorme

O estudo também mostra que no Brasil, quanto maior o número de filhos, mais natural é amamentar em público. Para as entrevistadas com mais de quatro filhos, esse índice chega a 72,8%, enquanto para as que possuem apenas um, a taxa de aceitação foi de 53,6%.

Outro destaque apontado pela pesquisa foi sobre o tempo de amamentação. Para 41,5% das mães, o período ideal de amamentação é de seis meses a um ano. No entanto, somente 32% das mães afirmou amamentar seus bebês durante esse tempo. Eu, por exemplo, parei de amamentar com 5 meses e meio porque depois que voltei a trabalhar, mesmo tirando leite no trabalho e amamentando à noite e de madrugada, meu leite secou.

De acordo com o CEO global da Lansinoh Laboratories Inc., Kevin Vyse-Peacock, como os países buscam maneiras de apoiar as mães lactantes por meio de políticas públicas e benefícios no local de trabalho, esses dados fornecem uma visão direta sobre as atitudes e comportamentos de amamentação das mães que estão passando por esse momento.

O Benefício de saúde para o bebê é a principal razão que faz a maioria das mães dos nove países optarem pelo aleitamento materno, variando de 91% no Brasil a 76% na França.

Acordar a noite para amamentar está entre as três principais dificuldades apontadas pelas entrevistadas porque realmente essa parte é “punk” mesmo. Este é um problema para 44% das brasileiras, enquanto a dor associada com a amamentação foi destacada por 47% delas.

A “culpa materna” é universal. Quando perguntadas se elas sentiriam-se culpadas caso não amamentassem, a maioria das mães de oito entre os nove países disseram que sim,  93% das mães brasileiras concordam com isso. A Alemanha é o único país onde a maioria das mães não se sentiriam culpadas (61%).

A maioria das mães em todos os países extrai ou planeja extrair seu próprio leite. No Brasil, essa afirmação foi dada por 71% das mães entrevistadas. O país com a menor taxa de lactantes que extraem ou planejam extrair leite é a França (65%), e o com a taxa mais alta é a China (85%).

Fundada por uma mãe lactante, a Lansinoh vem auxiliando mães durante a amamentação por 30 anos. Famosa por seu principal e premiado produto, a pomada de Lanolina HPA, que usei demais durante a amamentação e foi de grande importância nesse período, a Lansinoh é atualmente a líder mundial em acessórios para a amamentação e está disponível em aproximadamente 60 países. No Brasil, apesar do produto principal já ser comercializado há mais de 10 anos, a empresa abriu sua filial em 2014, e atualmente oferece uma linha de produtos de alta qualidade para amamentação, além de uma linha premium de introdução alimentar, a mOmma by Lansinoh.

Para mais informações, acesse o site da Lansinoh.

amamentacao-mae-nao-dorme

Apesar de nunca sofrer repressão por amamentar em público, já ouvi muitos casos desse tipo. Sempre achei um absurdo total e felizmente esse cenário está mudando.
Nesse mês de março, na Câmara Municipal de São Paulo, foi aprovado um projeto de lei que prevê multa a quem proibir ou constranger mulheres durante a amamentação. O projeto agora está aguardando aprovação do prefeito Fernando Haddad e a multa será de R$500,00 (em caso de reincidência o valor dobrará). Leia mais sobre a notícia aqui.
breastfeed-project-mae-nao-dorme
Já que estamos conversando sobre esse assunto, não posso deixar de falar sobre o trabalho de um fotógrafo que acompanho tem um tempinho, adoro o estilo dele e acabei descobrindo que ele tem um projeto muito legal, o Projeto Amamente.
Nesse projeto o fotógrafo José Neto fotografa mulheres enquanto estão amamentando e, MEU DEUS, que fotos maravilhosas! Juro, é de ficar babando.
Sou muito da idéia de que fotografias passam emoções e essas do Projeto me deixam tão encantadas. É suavidade, carinho, amor, troca de olhares, romantismo, tudo em uma foto só.
O José Neto teve essa idéia uma vez que estava fazendo um ensaio com uma família e em determinado momento a mãe pediu uma pausa para amamentar o bebê. Ele achou o ato tão lindo que começou a fotografar. E a partir desse dia, passou a convidar mulheres à posarem para as fotos e participarem do projeto.
O Neto quer que as fotos sirvam de motivação para que as mulheres não tenham vergonha desse momento lindo e ainda quer mostrar que elas ficam lindas quando amamentam.
Neto, só te digo uma coisa: Vendo suas fotos senti muito orgulho por poder ter tido a oportunidade de amamentar meu filho. Muito obrigada por esse trabalho que você tem feito maravilhosamente por nós.
Todas as fotos desse post são do projeto do José Neto e o você encontra essas e outras na Fanpage do Projeto Amamente – Breastfeed Project.
mamae-amamentando-mae-nao-dorme
mulher-amamentando-bebe-mae-nao-dorme
E como foi a sua experiência em amamentar em público? Me conta!

Se você curtiu esse post, clica aqui em “Gosto” e em “Compartilhar”. Não esqueça também de curtir a gente no Facebook: http://facebook.com/maenaodorme e nem no Instagram: @blogmaenaodorme.

Para falar comigo, meu e-mail é fernanda_carvalho@globo.com

Beijos,

Nanda

Minha (maravilhosa) experiência de amamentar

Vamos conversar sobre amamentação?

amamentar-maternidade

Eu sempre achei lindo o ato da mulher amamentar, mas não me recordo de ter parado pra pensar nisso antes de ficar grávida.

Logo no início da gravidez decidi que iria amamentar, queria muito e não via a hora disso acontecer.

Nem passava na minha cabeça o fato de não conseguir amamentar por algum motivo. Lembro de uma vez comentar com umas amigas que estava procurando bomba de extrair leite e elas disseram que eu tava me precipitando pois nem sabia se eu iria ter leite. Só aí que eu parei pra pensar que poderia não rolar e confesso ter ficado um pouco chateada com esse balde de água fria (que não mudou em nada na minha decisão e na minha vontade louca de amamentar).

Alguns meses antes do parto comecei a passar pomada de lanolina (a que eu usava era a Lansinoh) e usar concha rígida para formar o bico do peito. Na real, não acredito que isso tenha me ajudado em nada, porque quando o bicho pega, o bicho pega.

lansinoh-maternidade

 

Usei dessa marca

Usei dessa marca

maternidade-concha-amamentar

Comecei a ler artigos sobre amamentação, instruções, vídeos. Decidi que era muita informação e que na hora ia ser totalmente diferente e eu acabaria não usando nada daquilo que eu estava teimando em decorar. Então parei de ver os vídeos e ler tudo a respeito.

amamentacao-maternidade

Semanas antes do parto eu comecei a me preocupar porque meu peito tinha inchado só no início da gravidez e depois nunca mais. Já era pra eu ter leite, não? Não! Eu estava errada. Leite só depois do parto. Antes disso só colostro.

Bom, aí eu tive o João e depois de 2h levaram ele pro quarto pra mamar. Eeee! Agora é só alegria.

João mamando pela primeira vez

João mamando pela primeira vez

Não, definitivamente, não. O que ninguém te conta é que é difícil pra c*** amamentar.

O bebê no início não acerta o bico do peito, não sabe o que fazer, berra de fome, mas não pega o peito. Aí ele se desespera e aí mesmo que ele não pega o peito. Nesse caso, você tem que pegar ele, acalmar e só depois tentar de novo.

Sem contar que cada enfermeira que entra no quarto fala uma coisa, apertavam meu peito pra ver se estava saindo alguma coisa, como se ele já não tivesse dolorido o suficiente.

Mas nada disso, me fez desistir, eu queria amamentar, eu queria muito ter essa experiência mais que tudo. Não sei de onde vinha essa vontade louca, mas eu simplesmente tinha.

A médica tinha me dito que em até 3 dias o meu leite iria “descer”. Se não descesse nesse período ela passou um remédio que eu tinha que inalar, eu acho. Mas eu sabia também que se ele não descesse era porque provavelmente não iria mais descer.

Pois bem, chorei no hospital, no segundo dia, porque meu leite não tinha descido e eu achava que não conseguiria. O João aparentemente não gostava de mamar, ficava, no máximo, 5 mins no peito e não queria mais. Mas eu queria tanto…

Lá no hospital mesmo uma enfermeira me disse que parece que mamou pouco, que a quantidade de colostro é pouca, mas não é, porque o colostro é rico em calorias, o suficiente pra manter o bebê nutrido e alimentado até o leite descer. A natureza é muito perfeita, meu Deus.

Enfim fomos pra casa e exatamente como dito pela médica, no terceiro dia o leite desceu e desceu MUITO. Meu peito parecia uma bola de concreto, prestes a explodir, mal dava pra fechar os braços de tão doloridos que estavam.

Teve um momento que o João demorou mais pra acordar, o peito estava cheio e começou a encher mais. A primeira vez que eu sentia ele enchendo. Daí eu comecei a gritar, não de dor, mas de susto. Sei lá, achei que naquele momento ele fosse explodir, juro. hahaha. Mas não dói nada quando ele enche, só é uma sensação diferente do que estamos acostumadas.

Comecei a tirar leite com a bombinha elétrica que eu tinha comprado da G-Tech. Tirei porque senão ele iria empedrar. Eu não esvaziava, só tirava a ponto de não sentir mais dor. – Ah, tirar leite nos primeiros dias dói muito (pelo menos na elétrica que foi a que eu usei), acho que é porque o peito tá sensível, o bico ainda não tá formado – E era muito leite que eu tirava, achava que eu era a vaca leiteira que nunca iria parar de jorrar leite.

maternidade-bomba-leite-g-tech

Ah, logo nos primeiros dias, ao amamentar o útero contrai para voltar ao tamanho e posição de origem. É uma cólica tão forte que eu tinha que me agarrar em algo ou alguém. Mas depois de uns 2 minutos, passa. Ouvi falar, não sei se é verdade porque sou leiga, que a amamentação ajuda o útero a voltar mais rapidamente ao seu tamanho.

Depois de uns dois, três dias, normalizou a produção de leite e eu passei a produzir só a quantidade que o João normalmente mamava. Daí não precisei mais tirar leite.

Em poucos dias também o João aprendeu a mamar. Eu aprendi que se ele dormisse mamando no início, eu tinha que fazer carinho na bochecha pra incentivar ele. Porque no início eles têm um pouco de preguiça, cansa um pouco pra eles.

Eu amamentava ele de 3 em 3 horas. Não que se ele tivesse com fome, eu não amamentasse antes. Mas se ele chorasse dentro desse período, eu não dava o peito logo de cara. Eu via se ele não estava com frio, com calor, se tava com a fralda suja, se não era cólica, etc. Se não fosse nada disso, aí sim, eu dava mamar pra ele. Porque nem sempre quando um bebê chora, é fome.

Ah, e sempre usando a pomada de lanolina (aquela que comentei aqui em cima) depois de cada mamada e e ela era maravilhosa, na próxima mamada meu peito já estava como novo, não rachou nenhuma vez (a única coisa que tive foi uma febrinha durante uma noite porque acho que meu bico do peito inflamou, mas de manhã eu já estava super bem). Também usava a concha e o que ficava de leite na concha não era brincadeira. Porque enquanto você amamenta num seio, o outro fica jorrando leite. Não usava muito na rua porque costumava a vazar enquanto amamenta. Usava também o absorvente de seio da York (o melhor que eu encontrei, achei que fosse vagabundo, mas me surpreendi. Os outros de marcas famosas eram desconfortáveis, me arranhavam), mas não usava direto porque ele meio que abafava e parecia que assava, não sei direito como explicar. Então eu alternava o uso da concha com o do absorvente, mas nunca sem nada porque o leite escorria pelo corpo, molhava a roupa e além da vergonha, dava um super nervoso.

maternidade-absorvente-seios

Usei todos esses utensílios por, no máximo, 2 meses, que é quando o bico se acostuma com a amamentação e o fluxo de leite já não é tão grande a ponto de vazar.

Algumas pessoas me falavam e eu lia para não amamentar vendo tv ou mexendo no celular que isso pode influenciar na produção de leite. Realmente acho lindo, mas quero ver falarem isso de madrugada, depois da 3 mamada. NÃO DÁ! Você precisa de alguma coisa que te faça não fechar os olhos. No início eu via um canal de investigação policial, depois o canal só tinha episódios repetidos porque eu já tinha visto todos. Recorri a internet e no instagram encontrei mamães acordadas na madruga, passando pela mesma coisa que eu. E isso foi muito legal (é muito legal saber que você não está só).

Mas mesmo assim, eu dormi algumas vezes amamentando. Eu assumo, fui fraca. Já acordei com o João mamando meu umbigo, já acordei com o peito de fora e o João dormindo no meu colo. Mas eu me absolvo disso.

Ah, se não fosse a almofada de amamentação, não sei o que seria de mim e nem do João. Muita gente acha um ítem dispensável do enxoval, eu acho 100000000000000 vezes indispensável no enxoval e vou dizer: Primeiro porque as costas doem, você não tem posição confortável, tem que ficar segurando o bebê não sei quanto tempo na mesma posição e se não fosse ela, eu estaria ferrada. Ela deixa o bebê na posição certinha de amamentar e depois que ele vai crescendo e ficando mais pesado, não precisa ficar segurando o peso todo do bebê já que ele tá na almofada. Segundo porque se não fosse ela, todas as vezes que dormi durante a amamentação, provavelmente, o João teria caído. E também porque usei a almofada para deixar o João de bruços, estimulando-o a levantar o corpo com os braços. Usei pra deixar o João sentado, estimulando-o a sentar. Usei até mesmo depois de parar de amamentar.

Nunca tive vergonha de amamentar em público e nunca fui repreendida por fazê-lo. Se fui, eu nem percebi, porque, de fato, não me importava com o que as pessoas estariam pensando, preferia imaginar todas elas achando lindo e realmente eu achava que todas estavam achando lindo. A única coisa que eu fazia era colocar um paninho entre meu seio e a boca do João porque também já achava muita exposição (da minha parte, não acho nada demais que não usa o paninho).

Quando o João ia completar 5 meses, levei na pediatra e disse que voltaria a trabalhar e ela me explicou que, mesmo que eu tirasse leite no trabalho, provavelmente meu leite secaria. Tive uma crise de choro. Não queria que meu leite secasse, não estava preparada para a separação desse elo. Porque, sim. Pra mim, a amamentação é um elo, um cordão umbilical que não foi cortado. Meu filho dependia de mim para se alimentar, ele se alimentava de mim.

Eu amava vê-lo mamar, a mãozinha que ele apoiava no meu colo, quando ele me olhava mamando e, às vezes até sorria pra mim. Ou até quando ele terminava de mamar, eu colocava ele pra arrotar em pé no meu colo e ele dormia de sapinho em mim. Eu me sentia a mulher mais feliz, mais completa, mais tudo nesse mundo.

E aí que eu tentei, fiz de tudo, mas com 5 meses e meio meu leite secou de vez. Não foi tão ruim quanto eu imagiva, estava me preparando pra esse momento.

Mas, agora com 7 meses, eu morro de saudade de amamentar. Sou ativista da amamentação. Mentira, não sou não. Cada mulher sabe de si. Mas se me pedir um conselho na vida, eu vou dizer pra você amamentar.

Ninguém te conta essas coisas difíceis porque, na verdade, quando falamos de amamentação, não lembramos das coisas difíceis, só das coisas maravilhosas que ela traz.

Foi difícil, foi. Mas foi a melhor coisa que eu fiz na minha vida INTEIRA. Toda mulher merece passar um dia pela experiência de amamentar, nem que seja por uma vez na vida.

E se você curtiu desse post, clica aqui em “Gosto” e em “Compartilhar”. Não esqueça também de curtir a gente no Facebook: http://facebook.com/maenaodorme e nem no Instagram: @blogmaenaodorme.

Para falar comigo, meu e-mail é fernanda_carvalho@globo.com

Beijos,

Nanda

A mamadeira e o dentista

Já na gravidez precisamos pensar na importância da higiene bucal de nosso bebê e em como a amamentação pode ajudá-los

gravidez-higiene-bucal-bebe

Eu estou na reta final da gravidez e não paro de pensar naquele sorriso banguela que vai me acordar todos os dias. Pena que o sorriso banguela não dura muito e logo começam a nascer vários dentinhos.

E é isso que me procupa. Como tratá-los? Como fazer para eles crescerem saudáveis?

Pensando nisso, a Cirurgiã-Dentista, Dra. Raisa Malafaia, veio aqui hoje pra contar um pouco da importância da higiene bucal desde bebê, da importância da amamentação e do uso de mamadeiras e chupetas.

gravidez-higiene-bucal-bebes

Eu já disse aqui uma vez da minha vontade de amamentar. Quero muito amamentar até quando não der mais, por mim e por ele. É uma das coisas que eu mais penso durante a gravidez.

Tanto que já fiz quase que todo o enxoval do João e nem me preocupei em comprar mamadeiras, vou deixar para comprar mamadeiras depois.

Então vamos ler as super dicas dessa super convidada de hoje:

Por Raisa Malafaia

gravidez-raisa-malafaia

Olá!

Sou Cirurgiã-Dentista, Formada pela UFRJ e com pós graduação na área de Odontopediatria e Ortodontia. Hoje vim falar um pouco sobre como o hábito de mamar é importante para o desenvolvimento do bebê e como a mamadeira, a chupeta e o hábito de chupar dedo podem custar caro para a saúde da criança e para o seu bolso.

Começarei falando da importância da amamentação. Inúmeros estudos comprovam que a amamentação natural é a melhor forma de colaborar para o desenvolvimento correto do seu bebê. A Amamentação faz com que o bebê faça esforço físico para conseguir o alimento, devido ao pequeno “furo” no bico do peito. Para que o leite saia dali, o bebê deve posicionar a língua e a boca vedando o bico do peito, sugando o leite. Dessa forma, o bebê aprende que a respiração deve ser realizada de boca fechada, pelo nariz e associa a amamentação com a sensação de plenitude, satisfação e bem estar, mantendo a criança calma.

A mamadeira:

Quando, por algum motivo, a mãe não pode amamentar, a mamadeira é introduzida. E ai mora o risco. Notem que, ao contrário do seio materno, ele não precisa soltar o bico do peito para respirar. Assim o bebê não aprende a respirar, a deglutir e fazer o movimento de sucção corretamente. Devemos também notar que o bebê não fica calmo, e devido a entrada de ar, gases são deglutidos, dando cólicas e noites acordadas para os pais.

Outro fator que merece destaque é que muitas mães aumentam o furo da mamadeira. Isso facilita ainda mais a saída do leite. O bebê nesses casos apenas deixam o líquido escoar pela garganta, com entrada de ar, e nenhum estímulo de crescimento facial. A criança fica mais agitada e mais horas sem dormir para os papais.
A posição do aleitamento, seja ela qual for, deve ser sempre a mais confortável para ambas as partes, lembrando que se usarmos a mamadeira ela deve ser dada no colo da mãe ou do pai, evitando que a criança fique deitada. A posição imitando a amamentação natural dificulta a sucção da mamadeira, deixando o bebe se exercitar mais para conseguir o alimento, o que é mais saudável.

Algumas dicas rápidas:

– A higiene da mamadeira deve ser feita sempre fervendo os bicos e o recipiente por 10 minutos em agua limpa e filtrada antes de ser oferecido á criança.

– A mamadeira deve ser livre de BPA, item que, segundo muitos estudos, é maléfico á saúde.

– o conteúdo da mamadeira ( leite, água, suco) nunca deve ser reaproveitado.

– o bico da mamadeira deve ser ortodôntico. Vem escrito na embalagem, como esse aqui embaixo.

gravidez-bico-mamadeira

– Sempre limpe a boca do bebê após a amamentação ou utilização de xaropes. Não utilize bochecho ou pastas de dente. Essa limpeza deve ser realizada envolvendo o dedo indicador com a gaze e água e esfregue delicadamente a gengiva do seu bebe.

A primeira visita ao dentista e ao ortodontista:

A primeira visita ao dentista deve ser ainda bebê, para orientação da higiene bucal e da forma correta de amamentar.

O tratamento ortodôntico ou ortopédico miofuncional, pode ser iniciado a partir dos 4 anos, quando já podemos notar má oclusões, principalmente as causadas por hábitos deletérios, nome dado ao ato de chupar dedo/mamadeira/chupeta.

Procure sempre um profissional com cursos nas áreas de Odontopediatria e/ou Ortodontia, que são especializados em atendimento infantil e tratamento de má oclusão, respectivamente.

Ainda tem dúvidas?

Mande um email para raisamalafaia@gmail.com que ajudo a tirá-las.”

 

A Dra Raisa já está com vários outros temas em mente e nós aqui aguardamos ansiosamente por mais dicas. 😉

Beijos,

Nanda 😉

Para falar comigo, meu e-mail é fernanda_carvalho@globo.com

Morrendo de amor

Já na gravidez você aprende o real sentido de amar. Antes disso, você pode achar que amou já, mas foi apenas engano seu

gravidez-amor

Olá, como foram de final de semana? Descansaram? Porque eu ralei mais esse final de semana do que ralo a semana toda. Meu Deus, como pode uma criança dar tanto trabalho antes mesmo de nascer? Ok, eu já sei que quando nascer o trabalho só vai triplicar, que na gravidez é fichinha. Obrigada, vocês me deixam sempre muito otimista. rsrs

E vai mamãe e papai pra feira da Gestante e Bebê (enfim consegui comprar as malas pra maternidade e alguns utensílios show de bola) e corre com os preparativos do chá porque é nessa semana.

Hoje é segunda-feira e já tô esgotada. E nem posso ficar, porque essa semana é a de provas na faculdade. Se eu soubesse antes da data das provas, nunca teria marcado o chá pra esse sábado. Tô com aquela sensação de que não vou conseguir fazer nem uma coisa e nem outra. Mas vamos lá. Coloquei na minha cabeça que não quero ser uma mãe frouxa, quero ser uma mãe que o João vá se orgulhar. E, para isso, não posso ter preguiça e nem cansaços pequenos.

gravidez-mae-faz-tudo

Numa dessas, coloquei na minha cabeça também que quero amamentar. Quero amamentar o máximo que eu conseguir, que o trabalho e o meu corpo permitirem.

Já procurei vários tutoriais, vídeos, dicas sobre como amamentar. Procurei utensílios que me preparassem durante a gravidez para na hora não sentir dor.

Quando a minha médica disse, eu não dei muita atenção pra ela, mas estou chegando a conclusão que ela estava mais do que certa, nada vai me preparar melhor que o meu próprio filho. Olho os tutoriais e simplesmente não aprendo nada, porque tenho certeza que na hora H vai ser bem diferente.

Por mais que eu me prepare, vai doer (posso me preparar para doer menos), vai ser difícil, vai ser cansativo no início. Mas é uma coisa que eu quero muito e vou tentar muito. Não só porque é a melhor opção pro meu filho, mas é porque eu acho lindo mesmo. Esse elo maravilhoso enquanto o bebê mama, te olhando nos olhos e você dizendo “nossa, é uma parte de mim, é meu, saiu de mim”. É essa sensação que eu quero ter, e é por essa sensação que tudo vai valer a pena, que a dor e a dificuldade não vai ser nada perto da felicidade e emoção que esse ato de amamentar proporciona.

gravidez-amamentar

Por falar em emoção, ontem na hora de dormir João resolveu sambar na minha cara, quer dizer, na minha barriga.  Deitei de lado e quando fechei os olhos ele começou. Mas se mexia de um jeito que nunca se mexeu antes, mexia muito, dava uns chutões fortes, sabe?! Quando eu tava quase pegando no sono, ele sentia isso e TUM. Isso começou a me incomodar, não é bem doer, mas incomodar mesmo.

Deitei de barriga pra cima e aí que as mexidas ficaram mais fortes e mais intensas. Eis que o pai dele começou a fazer carinho, beijar a barriga, conversar com ele que tava na hora de mimir, pra ele se acalmar. Falando bem baixinho pertinho da barriga. Todo carinhoso. E o João, INCRIVELMENTE, foi se acalmando, parando e até que parou.

Aquela cena me emocionou tanto, fiquei com nó na garganta. Como posso amar tanto dois homens ao mesmo tempo?

Como pode o João já sentir a presença do pai dessa maneira? Geralmente quando ele tá se mexendo e o pai coloca a mão, ele para. Como ontem ele tava muito agitado, não achei que isso resolveria. Mas, meu Deus! Ele sabe que é o pai conversando com ele, a voz do pai já acalma ele. ❤ ❤ ❤

gravidez-elo-pai

Desde o início da gravidez tenho aprendido a morrer de amor todos os dias e continuar vivendo. Quero que seja assim todos os dias da minha vida, das nossas vidas.

Beijos,

Nanda 🙂

Para falar comigo, meu e-mail é fernanda_carvalho@globo.com