Perda de audição causa atraso na fala das crianças

perda de audição prejudica fala das crianças

 

O desenvolvimento da fala nos primeiros anos de vida de uma criança pode ser afetado por problemas de audição não diagnosticados. A Marcella Vidal de Freitas, que é fonoaudióloga responsável pela Área Pediátrica da Telex Soluções Auditiva, preparou esse post para orientar e alertar os pais, que devem ficar atentos aos sinais de atraso na linguagem oral nos primeiros dois anos de vida. Para evitar que a criança tenha prejuízos no seu desenvolvimento que podem acarretar em problemas por toda a vida.

Muitos pais só buscam tratamento para o problema de audição dos filhos quando outros sintomas começam a surgir, apesar de o atraso na fala e a falta de diálogo serem os sinais mais evidentes. Diagnósticos equivocados e o costume de esperar que a criança desenvolva o diálogo naturalmente podem causar danos irreparáveis na infância e até na vida adulta; além de atrasar o tratamento do déficit auditivo.

Marcella informa que o quanto antes o tratamento for iniciado, maiores as chances de um bom desenvolvimento infantil, além de melhores resultados no processo de tratamento que possibilitam que o desempenho comunicativo seja alcançado mais rapidamente, muito próximo ao de crianças ouvintes.  Não há por que postergar. A perda auditiva pode ser diagnosticada com uma audiometria, um exame simples que detecta a doença em até 90% dos casos.

É importante destacar que o processo de maturação do sistema auditivo central ocorre durante os primeiros anos de vida. Por isso, a estimulação sonora neste período de maior plasticidade cerebral é imprescindível, já que para o aprendizado da linguagem oral e, consequentemente, o desenvolvimento intelectual, emocional e de habilidades, é preciso que as crianças interajam com seus interlocutores e, assim, estabeleçam novas conexões neurais. É bom lembrar também que há diferenças entre ouvir e escutar. Os sons que entram pelos ouvidos precisam fazer sentido, ter significado.

E mesmo que a criança, quando recém-nascida, não tenha apresentado alterações auditivas no Teste da Orelhinha, ao menor sinal de atraso na fala é importante que ela seja submetida a novos exames, pois a perda auditiva pode ser genética ou progressiva, ou mesmo ser causada por medicamentos ototóxicos, se manifestando, portanto, ao longo da infância. Exames como o PEATE (Potencial Evocado Auditivo de Tronco Encefálico) e o EOA (Emissão Otoacústica) podem detectar o grau de perda auditiva, servindo como ponto de partida para que o médico otorrinolaringologista indique o tratamento mais adequado para cada caso.

Com o passar do anos, por causa da falta de diálogo, a perda auditiva vai afetar a socialização e a autoestima das crianças e pode também prejudicar bastante o seu desenvolvimento cognitivo e a alfabetização. De acordo com o Censo Escolar, entre 2011 e 2016 houve uma redução de 23% no universo de estudantes surdos, o que dá a entender que esse público estaria deixando a escola. Não raro, há pessoas que só identificam a perda auditiva na universidade e descobrem que a dificuldade de aprendizagem ou até mesmo o déficit de atenção diagnosticado na infância era, na verdade, dificuldade para ouvir.

Dados da Organização Mundial de Saúde apontam que aproximadamente 32 milhões de crianças, no mundo inteiro, têm algum tipo de deficiência auditiva, sendo que 40% dos casos ocorrem devido a problemas genéticos e 31% por causa de infecções, como sarampo, rubéola e meningite. No Brasil, segundo dados do IBGE, um milhão dos 9,7 milhões de pessoas que têm deficiência auditiva são jovens de até 19 anos. Estima-se que três em cada 1.000 crianças sofrem com algum tipo de perda auditiva.

Anúncios

Agosto Dourado – Especialista dá dicas de amamentação

Agosto é o mês do aleitamento materno e possui diversas campanhas para incentivar a amamentação

agosto dourado 2018

O estímulo da amamentação exclusiva salva nada menos que 6 milhões de crianças por ano.

Para Cíntia Matieli, consultora de amamentação e fundadora da Mommy’s Angel consultoria materna, “o leite materno é o melhor alimento que um bebê pode receber nos seus primeiros anos de vida, sendo indicado até dois anos ou mais. Sua superioridade orgânica o torna de melhor digestibilidade, sendo o alimento mais completo para promover o crescimento e desenvolvimento infantil”. Além disso, segundo Cíntia, as crianças amamentadas com leite materno também estão mais protegidas contra doenças infecciosas.”, comenta.

Ainda existem muitos tabus e principalmente no que se refere a quantidade de mamadas, por exemplo, por isso, Cíntia preparou dicas para as mamães se sentirem mais confiantes em oferecerem este alimento tão rico ao seu bebê:

  • O bebê deve ser amamentado todas as vezes que desejar. Importante: a mãe deve permitir que a criança mame até o momento em que sentir o peito vazio ou murcho para, só então, oferecer a outra mama.  Muitas mães reclamam que seus filhos choram o tempo todo, que querem mamar a toda hora e que o leite produzido é fraco e, por isso, leva a criança a sentir fome”, explica Cíntia.

 

  • Importante: na verdade, o leite não é fraco. O bebê é que sente fome, uma vez que este alimento é rapidamente digerido.

 

  • As mulheres produzem dois “tipos de leite”: o que se concentra no fundo da mama, rico em nutrientes, capaz de estimular o ganho de peso e o crescimento do bebê; e o localizado mais na parte da frente da mama, rico, principalmente, em água, o que leva a recomendação de que não é necessário oferecer água a criança até o sexto mês de vida.

 

  • É sempre bom lembrar que o bebê deve ser colocado para arrotar, logo após a mamada e, se ele for ficar deitado, deve ser posicionado de lado, pois, caso vomite, não corre o risco de sufocar-se.

 

  • É muito comum as mulheres sentirem dores nas mamas, devido às rachaduras. Para preveni-las, é necessário passar o próprio leite na mama, antes e após dar de mamar. Caso as rachaduras já existam, o leite ajudará a cicatrizá-las. Na maioria das vezes, o que faz o peito rachar é o jeito que o bebê abocanha a mama: sua boquinha deve envolver e abocanhar a aréola do peito, aquela parte redonda e mais escura, localizada ao redor do bico do seio. Se o bebê sugar somente o bico, com o tempo, a mama ficará machucada. Para corrigir as fissuras existentes, além de passar o próprio leite na mama, a pega do bebê, ou seja, o jeito que ele abocanha a mama, também deve ser corrigida.

 

  • Também é comum reclamações de dores nas costas, no pescoço e nos ombros. Por isso, ao amamentar, a mulher deve preferir ambientes tranquilos, posicionar-se de maneira confortável, com a coluna alinhada e os pés apoiados.

 

  • No geral, água morna nas costas durante o banho pode aliviar eventuais dores. Só é preciso lembrar que não se deve deixar cair água quente ou morna nos seios, pois isto pode fazer com que o leite empedre, as mamas fiquem ingurgitadas e a mulher sinta mais dores.

Agosto Dourado – 6 benefícios e dificuldades da amamentação

Agosto é o mês do aleitamento materno

agosto dourado 2018

Ontem se deu início ao Agosto Dourado, que busca mobilizar e conscientizar a população sobre a importância da amamentação, tanto para os bebês, como para as mães.

A cor dourada está relacionada ao alimento ouro para a saúde dos bebês, o leite materno. E o mês de Agosto é todinho dedicado a informar e debater sobre a importância de amamentar. Durante o mês terão palestras e eventos, divulgação de informações no rádio, na TV e na internet sobre os benefícios do aleitamento materno. A lei brasileira também sugere que prédios públicos sejam iluminados com a cor dourada em homenagem à amamentação.

mitos e verdades amamentacao

A amamentação é uma pratica natural, capaz de trazer inúmeros benefícios para o bebê e para a mãe.

O aleitamento materno deve ser exclusivo até os seis meses de vida, sem a oferta de água, por exemplo. O leite materno é um alimento completo e ideal para o bebê, pois ele contém todos os nutrientes em quantidades adequadas e fornece água para hidratação.

O benefícios da amamentação são inúmeros, mas destaquei os seis mais importantes:

1 – Aumenta o vínculo entre mãe e filho;

2 – Ajuda no desenvolvimento motor e emocional da criança;

3 – Faz o útero da mãe voltar mais rápido ao tamanho natural. Com isso, também evita o sangramento excessivo e, consequentemente, que a mãe sofra de anemia;

4 – Ajuda a mulher a voltar mais rapidamente ao peso que tinha antes da gestação, pois consome até 800 calorias por dia (mesmo dando muita fome), e diminui o risco de câncer de mama e de ovário;

5 – Por ser de fácil digestão, provoca menos cólicas nos bebês;

6 – Colabora para a formação do sistema imunológico da criança, previne alergias, obesidade e intolerância ao glúten;

mae-e-filho

Quem dera se a amamentação fosse algo automático, mas não basta instinto materno. Muitas mulheres passam por dificuldades.  É preciso orientação, apoio e muita informação para oferecer ao bebê o alimento mais completo que existe.

Separei também as seis maiores dificuldades enfrentadas na amamentação:

1 – Dor – Pode ser o bico rachado, os seios cheios, ingurgitados, o que pode até evoluir para uma mastite e causar febre alta na mãe. A pega errada é outra causa de sofrimento. – A utilização do próprio leite materno nas regiões afetadas, várias vezes ao dia, auxilia bastante no processo de cicatrização, pomada lanolina, pega correta e, se puder, contar com a ajuda de um profissional

2- Pouco leite – Isso pode acontecer no caso de mulheres que tenham passado por cirurgias mamárias, como as redutoras ou mastopexias. Ou por provável “má pega”, que ocorre quando o bebê coloca somente o mamilo na boca, ele deve colocar toda a aréola na boca do bebê para que possa sugar direitinho. Mas é importante que saiba que não existe leite fraco ou pouca produção. O que pode acontecer é um desequilíbrio causado quando o bebê não suga direito. Pois isso que é preciso ensinar o bebê a mamar do jeito certo.  A mãe deve se alimentar bem e tomar muita água ao longo do dia. Até o bebê nascer, a mãe necessita de líquidos apenas para si. A partir do nascimento, há necessidade de líquidos para ela e para o bebê. E a principal regra da amamentação: quanto mais o bebê mamar, mais leite será produzido.

3 – Bico invertido – Ter o bico do seio voltado para dentro e não para fora pode dificultar a pega do bebê. Nos primeiros dias, poderá ser mais difícil para o bebê manter a pega, mas é possível ajustar a postura, colocar o bebê bem próximo ao corpo da mãe e usar recursos e massagens para tentar protruir os mamilos.

4 – Falta de apoio e críticas –  Contar com a ajuda de familiares e do marido é essencial para uma amamentação tranquila e eficiente. Ler livros específicos e buscar fazer cursos são boas alternativas. Também é possível pedir ajuda nos postos de saúde ou em bancos de leite. A maternidade precisa de menos julgamentos e mais apoio.

5 – Falta de informação e preparo – Ao longo dos nove meses da gestação, alguns pais e mães até se matriculam em cursos sobre o tema. No entanto, nem sempre o conteúdo sobre amamentação é suficiente. Ler e ver vídeos sobre o assunto, vão te ajudar nessa jornada.

6 – Leite empedra – No início, se produz mais leite do que o bebê consome. Nesse caso, pode-se esvaziar as mamas com uma bomba, usar concha de amamentação (ela acondiciona o leite que vaza). É indicado também massagear as mamas antes de amamentar ou até sair parte do leite. Com isso, o leite amolece e o bebê consegue mamar.

Os desafios são muitos, mas, se a sua escolha for amamentar, não dê ouvidos ao que as pessoas falam, palpites que não ajudam em nada, só atrapalham. Encare o desafio. Com informação, orientação e apoio, amamentar é possível. E vai ser a experiência mais incrível da sua vida.

 

Mas é importante lembrar que, apesar dos esforços, muitas mães não conseguem amamentar, por inúmeros motivos. Essa mãe não deve se culpar e muito menos ser julgada. Ninguém sabe as batalhas que cada um enfrenta. Então se você não conseguiu amamentar, ‘TÁ TUDO BEM!”.

Mitos e verdades da amamentação

Mitos e verdades da amamentação com consultoria da pediatra e consultora internacional de amamentação Dra. Kelly Oliveira.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a amamentação deve ser exclusiva até o sexto mês de vida dos bebês e recomenda que as mamães amamentem seus filhos por até dois anos ou mais.

No entanto, o ato de amamentar ainda gera muitas dúvidas entre as mamães, eu mesma me senti completamente perdida na gravidez e pós parto. Li muito sobre o assunto, vi muitos vídeos.

Li muita coisa boa, mas sabemos que tem muita informação falsa por aí. Muitos conselhos e pitacos, então acabamos mais perdidas do que antes, em determinados momentos. Por isso, a pediatra e consultora internacional de amamentação Dra. Kelly Oliveira esclarece os principais mitos e verdades da amamentação.

mitos e verdades amamentacao

Amamentar Dói – NEM MITO. NEM VERDADE.

Nos primeiros dias as mamas podem ficar inchadas e doloridas, mas se os sintomas permanecerem ou piorarem, um especialista deve ser consultado para indicar o melhor tratamento.

Se não amamentar o primeiro bebê, não conseguirá amamentar o segundo – MITO.

Mesmo que não amamente o primeiro filho por alguma razão, é possível amamentar sim o segundo.

Existe uma posição ideal para amamentar – VERDADE.

É importante que o bebê faça a pega correta da mamada. A boca do bebê deve estar bem aberta, com os lábios virados para fora e abocanhando a aréola, e não só o bico do seio, o que ajuda a extrair a quantidade de leite adequada e evita machucados no seio da mãe.

Meu peito rachou. Devo parar de amamentar – MITO.

A indicação da interrupção deve ser avaliada em conjunto com um especialista, uma vez que pode trazer outro problema, como o empedramento da mama. Corrigir a causa do aparecimento do machucado é sempre indicado, muitas vezes uma simples correção de pega já é suficiente. A lanolina 100% natural poderá ajudar na reparação mais rápida da lesão.

Não tenho bico para amamentar – MITO.

Não importa como é o bico da mãe (plano, invertido etc), o bebê conseguirá ser amamentado se fizer a pega correta. Mas o uso do corretor de mamilos pode ajudar.

Acho que não tenho leite suficiente – MITO.

A quantidade de leite produzida pela mãe é a ideal para satisfazer o bebê. Porém, algumas mulheres podem produzir uma quantidade maior. Esse excedente pode ser extraído através de bombas e armazenado ou doado a bancos de doação de leite humano.

Meu leite é fraco – MITO.

Não existe leite mais fraco ou mais forte, já que cada mãe produz o leite adequado para seu bebê. O importante é procurar esvaziar a mama e o bebê mamar regularmente.

Tive mastite por causa do excesso de leite – VERDADE.

Como a mastite é a inflamação das glândulas mamárias, o ideal é não permitir o acúmulo do leite através de massagens e extração.

Água quente desempedra o leite – MITO.

Para desempedrar o leite é indicado realizar massagens e retirar o excesso através de bombas para o armazenamento. Compressas de água fria são bem vindas quando há dor e inflamação.

O leite materno pode ser congelado – VERDADE.

O saco de armazenamento de leite, feito especialmente para este fim, deve ser imediatamente guardado na geladeira, no congelador ou no freezer.

Machucados nos seios podem ser prevenidos com o sol – VERDADE.

Tomar sol nos seios ajuda na prevenção de rachaduras.

Prótese de silicone atrapalha a amamentação – MITO.

Nem implante de sili­co­­ne, nem mamoplastia compro­metem a produção de leite ou interferem na ama­mentação. A prótese de silicone precisa ser colocada atrás da glândula mamária ou atrás do músculo peitoral.

Amamentar deixa o peito caído? – MITO

Não há relação entre amamentação e flacidez.

Sobre a Dra. Kelly Marques Oliveira

Formada em Medicina na Unicamp, Pediatra pela Universidade de São Paulo, e com Especialização em Cardiologia Pediátrica no Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia. Especialização em Alergia e Imunologia na Unifesp (em andamento). É consultora internacional de Amamentação (IBCLC). Dedica-se atualmente às áreas de amamentação e alimentação infantil pelo método Baby-Led-Weaning (BLW). Conquistou o Título de Especialista em Pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria. Idealizadora do cuidado humanizado e integral das crianças. Autora do blog http://www.pediatriadescomplicada.com, com várias dicas sobre saúde da criança. Atua também como pediatra em dois hospitais do SUS em parceria com Hospital Israelita Albert Einstein. Atende também em consultório particular.

Site: www.drakellyoliveira.com

Medo de escuro: saiba como ajudar o pequeno

Se o seu filho não dorme sozinho e tem pânico só de pensar em ficar no escuro, fique calma, esse é um medo comum entre as crianças.

medo de escuro

Nictofobia. Você provavelmente não conhece essa palavra, mas passa por essa situação toda noite. É a fobia do escuro, um medo comum dos pequenos, mas que pode ser amenizado.

Sentir medo faz parte do desenvolvimento emocional dos seres humanos. É uma reação de proteção quando o cérebro acredita que algo vai nos fazer mal. O medo do escuro infantil, na maioria das vezes, não está associado à escuridão em si.

Como as crianças de três a sete anos têm a imaginação muito aflorada e, na hora de dormir, as luzes estão apagadas e os pais não estão por perto, elas ficam mais propensas a imaginar perigos.

Um simples rangido da cama pode ser o monstro que veio puxar o pé, a brisa que vem da janela é a bruxa que passou voando em sua vassoura e despertar no meio da noite é o vampiro que veio sugar o sangue.

As crianças em idade escolar, que começam a compreender que existem coisas e pessoas perigosas no mundo real, pode ter medo de ladrões entrarem em casa se as luzes estiverem apagadas, por exemplo.

Essas são explicações comuns das crianças que têm medo de ficar em um local escuro,
especialmente na hora de dormir. É por isso que os adultos têm que explicar a diferença entre o mundo real e a ficção, além de proporcionar conforto e segurança às crianças.

Conforme os pequenos crescem, eles passam a separar melhor a fantasia da realidade. Nessa fase, o papel dos pais é muito importante para explicar o que realmente representa um perigo, pois eles ainda são muito ingênuos para isso.

Perante os próprios medos, os pequenos podem se recusar a ir para a cama, ir dormir mais tarde do que o relógio biológico precisa, apresentar choros compulsivos, crises de ansiedade, tremores e suor frio. Fazer xixi na cama também pode ser um sinal de que o medo está fora de controle.

Se essa situação é comum no seu lar, algumas táticas baseadas em evidências, carinho e paciência podem funcionar. Veja algumas dicas que a Alô Bebê preparou para ajudar a acabar com os medos:

Entenda de onde vem o medo do seu filho

Pergunte aos pequenos quais são os perigos do escuro. Ele provavelmente vai apontar personagens de filmes, de desenhos ou de videogames, ou outros que alguém mencionou para tentar assustá-lo.

As crianças que recentemente passaram por algum tipo de trauma, como um roubo na residência, um sequestro relâmpago ou abuso sexual, podem demonstrar medos de pessoas reais, como “homem alto” ou “mulher má”.

Combata o estresse diário

As crianças que ficam ansiosas por causa da escola, da separação da mãe, da quebra da rotina ou outros pequenos eventos cotidianos têm mais chances de sofrer de medo do escuro e ter pesadelos durante o sono. Durante o dia a dia, procure amenizar essas situações na vida do pequeno.

Reveja os horários de sono

A maioria das crianças sente sono entre 20 e 21h30. Porém, o relógio biológico de algumas pode trabalhar de forma diferente, fazendo com que o sono venha um pouco mais tarde, sem prejuízos para seu desenvolvimento.

Se você colocar o seu filho na cama cedo demais, ele terá dificuldade para dormir, e passará mais tempo acordado no escuro, o que dará a ele mais tempo para imaginar perigos e sentir medo.

Evite imagens durante a noite

O excesso de estímulos já pode atrapalhar o sono infantil, e quando esses estímulos vêm em forma de filmes, desenhos ou livros com personagens maléficos, eles podem transmitir medo aos pequenos.

Pais que assistem ao telejornal no mesmo ambiente em que a criança está também podem contribuir para isso, pois as notícias geralmente não são nada agradáveis e podem sensibilizar as crianças, mesmo se parecer que elas não estão prestando atenção.

Ofereça uma forma lúdica de proteção

Ter um bichinho de pelúcia para dormir pode funcionar em alguns casos. O item deve ser visto pela criança como uma forma de proteção e pode ser usado todas as noites, inclusive em viagens ou em noites na casa dos amiguinhos.

Um ritual noturno para que o pequeno se sinta protegido também pode ser útil. Borrifar um spray “antimonstros” embaixo de berço do bebê, pedir para o pequeno fechar a janela e colocar um cobertor especial tendem a deixar a criança mais segura para dormir.

Aposte nas luzes

Se o pequeno não suporta ficar no escuro, invista em um abajur ou uma lâmpada de tomada para deixar sempre ligado. É essencial que a luz emitida seja fraca para não atrapalhar o sono. Um ruído branco, como o barulho de chuva, também pode ajudar.

Evite deixar o lustre do quarto aceso, pois o excesso de luz afeta a qualidade do sono. Acender as luzes do banheiro ou corredor também não é boa ideia, pois você pode acabar desligando acidentalmente, o que vai deixar a criança apavorada no meio da noite.

Leia livros sobre o assunto

A leitura traz benefícios também para a segurança e a autonomia das crianças, especialmente quando ocorre na hora de dormir. Por isso, aproveite esse momento para ler um livro que trate justamente sobre o medo do escuro e sua superação. O pequeno, com certeza, vai se identificar.

Como acabar e previnir as assaduras nesse verão

No verão, o bebê pode sofrer mais com as assaduras. A trocas de fralda mais frequente é apenas uma das formas de aliviar esse problema.

assadura-de-bebe

Os sintomas você já conhece: vermelhidão, sensibilidade, descamação e, muitas vezes, coceira. Se é isso que você encontra todas as vezes que tira a fralda do seu bebê, é preciso redobrar os cuidados com o pequeno.
As assaduras ou dermatite de fraldas são causadas justamente por causa das… fraldas! Apesar de garantir a higiene, as fraldas também aumentam a temperatura e a umidade da região genital, além de deixar a pele em contato com os excrementos do pequeno.
Agora no verão, os termômetros vão subir e os bebês vão transpirar muito mais, resultando no aumento de temperatura e umidade na região genital. Por isso, os cuidados com a higiene do pequeno precisam ser ainda mais intensos.
Assaduras também podem ser causadas, em casos mais raros, por irritação ou alergia a algum componente da fralda ou de produtos como lenço umedecido. A presença de fungos também pode provocar irritações e inspirar cuidados médicos.
Felizmente, há formas de evitar que o seu filho sofra com o incômodo das assaduras. Se elas ainda não fazem parte da rotina de cuidados do bebê, chegou a hora de aderir:
Trocar as fraldas
A melhor forma de prevenir as assaduras é realizando a troca com frequência para que o xixi e o cocô do pequeno não fiquem em contato com a pele por muito tempo. Troque o bebê pelo menos a cada três horas ou assim que perceber que a fralda está suja.
Fazer a limpeza com água
O jeito certo de limpar o bumbum do seu bebê é com água morna embebida em um algodão.
Se a remoção estiver difícil, use um sabonete especial para bebês. O lenço umedecido deve ser de uso ocasional, como quando você está passeando com o seu filho e não tem acesso a outra opção.
Testar diferente marcas
Se a assadura do seu filho está sendo causada por alergia a determinada fralda, a dica é
escolher uma marca diferente, pois a composição do item varia de acordo com o fabricante. Se você não encontrar nenhuma opção adequada, considere a substituição pelas fraldas de pano, que são mais naturais.
Não usar fraldas apertadas
Conforme o bebê cresce, é essencial que você providencie fraldas do tamanho certo para ele.
Além disso, na hora de vestir o item, evite apertar demais. Fraldas apertadas causam ainda mais atrito com a pele sensível, aumentando as chances de uma assadura aparecer.
Deixar o bebê sem fraldas
Ao menos umas duas horas por dia, deixe o seu bebê ficar sem fralda pela casa para que a pele possa respirar e cicatrizar. Você provavelmente vai ter que encarar alguma bagunça, como xixi escorrendo pelas pernas e indo parar no chão do quarto, então, esteja preparada para fazer a limpeza.
Use fraldas noturnas
As fraldas noturnas são maiores e mais absorventes. Isso quer dizer que, se você não fizer a troca durante a noite por algum motivo, a pele do bebê ficará protegida por mais tempo. No entanto, se o seu filho já estiver apresentando sensibilidade na região, vale a pena trocar a fralda.
A pomada: uso obrigatório para prevenir e tratar
As pomadas para assadura são ideais para regenerar a pele e cicatrizar a região avermelhada.
Elas não podem faltar no trocador e nem na bolsa do bebê, pois precisam ser usadas em todas as trocas de fralda.
Esse tipo de pomada contém, óxido de zinco. Essa substância é multiuso, pois possui
propriedades adstringentes, antisséptica, secativa e anti-inflamatória, tudo o que a criança necessita para evitar e tratar as assaduras.
Além desse ingrediente, as pomadas podem ter vitaminas A e D, lanolina, calêndula e óleos naturais, que regeneram, hidratam e protegem a pele do pequeno.
Como a pomada é tão importante para o conforto do seu bebê, você precisa acertar na
escolha. Na Alô Bebê, há com certeza há a opção ideal que fará maravilhas para o bumbum do seu filho.
A eficiência da pomada é o fator mais importante para a compra. Cada pele reage diferente a determinado produto, então, é comum que você precise testar algumas marcas antes de acertar aquela que vai curar o incômodo do pequeno.
Para as mamães, textura e embalagem são duas características que precisam ser práticas para a troca ser feita rapidamente, pois os pequenos são impacientes. Pomadas mais consistentes e tampas de rosquear nem sempre agradam.
Além disso, a facilidade de encontrar o produto na loja, farmácia ou mercado que você
frequenta é fundamental, pois vai haver o dia em que a sua pomada vai acabar e você
precisará sair correndo para comprar outra!

Infecção urinária: como preveni-la em todas as idades, inclusive nas crianças

Com a chegada do calor, é normal que as pessoas passem mais tempo com a roupa de banho úmida ao corpo quando estão na praia ou piscina. Embora pareça inofensiva, essa prática pode ocasionar dermatites na região da genitália, sendo facilitadoras para o surgimento e proliferação de germes na via urinária, já que é um lugar úmido e propício para a instalação da bactéria.

A Infecção do Trato Urinário – ITU atinge homens e mulheres, em qualquer faixa etária. Pode acometer a bexiga (cistite), a ureta (uretrite) e rins (pielonefrite). Os sintomas são desconforto e dor para urinar, necessidade de ir mais vezes ao banheiro e sensação de esvaziamento incompleto da bexiga.

prof.-amaro_site“Nestes casos e, no homem, é preciso investigar para saber se existe o comprometimento da próstata. Se a infecção atingir os rins, os sintomas são os mesmos, porém, a pessoa terá também febre e comprometimento do estado em geral. ”, explica o Dr. João Amaro, presidente da SBUSP – Sociedade Brasileira de Urologia de São Paulo e professor titular de Medicina de Botucatu – UNESP.

Na menina
As vulvuvaginites podem ser uma das causas para o aparecimento da infecção urinária na criança. “É importante fazer um exame clínico e, como prevenção, avaliar a vagina da menina”, afirma Amaro. Ele explica que, antes de um ano de idade, pode ocorrer alteração no desenvolvimento da estatura, sintomas e sinais genéricos que podem chamar atenção para o problema.

“Os pais devem educar a filha, desde cedo, a ter hábitos de higiene diariamente. Um problema muito comum é a forma inadequada de se limpar após a defecação, permitindo que as fezes tenham contato direto com o períneo e a vagina, contaminando a área, e assim, facilitando a infecção urinária baixa, ou seja, a cistite”, diz o especialista.

Na mulher
As chances de contrair a bactéria são maiores, já que a uretra é curta, medindo em torno de 4 centímetros. Pelo menos 50% das mulheres serão acometidas pela doença ao menos uma vez na vida. Problemas como diabetes, alterações no PH vaginal por conta da gravidez e complicações ginecológicas, como corrimento e a vulvovaginite – inflamação da vulva e da vagina, contribuem para a colonização do germe na bexiga.

No menino
No nascimento, temos a fimose fisiológica, que até pode permanecer até os quatro anos. A patologia é caracterizada por dificuldade de expor a glande após a retração da pele que a recobre. Desta forma, pode acontecer uma balanopostite, ou seja, uma inflamação desta região do pênis da criança, facilitando o aparecimento da infecção urinária.

No homem
Os problemas da próstata, glândula localizada abaixo da bexiga e à frente do reto, podem surgir após os 50 anos. São caracterizados por dificuldade de esvaziamento da bexiga, jato urinário fino e fraco, bem como o aumento do número de micções. Decorrente disto, ocorre uma queda natural de defesa e função do órgão, que pode levar ao aparecimento da infecção urinária.

Em termos de prevenção, além dos cuidados com a higiene, é bom evitar permanecer muito tempo com as peças íntimas úmidas nos órgãos genitais e recomenda-se beber muita água. “Alguns estudiosos afirmam que a alimentação à base de macrobiótica e cranberry são fatores para inibir a infecção urinária de repetição, mas não temos nada comprovado. O que se sabe é que, algumas vacinas específicas para combater a bactéria escherichia coli são efetivas”.

Se não tratada, a infecção urinária baixa, a cistite, pode evoluir para a pielonefrite, que leva a complicações e cicatrizes do rim, podendo alterar a função renal. Procure um urologista para investigar a doença e realizar o melhor tratamento.