Grávida faz exercícios? Entenda os benefícios deles para a gestação

Atividades físicas trazem vantagens tanto para a mãe quanto para o bebê

exercicios na gravidez

Não é de hoje que a gravidez deixou de ser sinônimo de repouso. E agora, estar com um barrigão não é mais motivo para pausar a rotina de exercícios e muito menos, para deixar de lado a vontade de iniciar novas atividades, mesmo que seja em uma intensidade moderada.

A orientação para a realização de atividades físicas durante a gestação é indicada pelo American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG) desde a década de 1990. Mas, só em 2002 essa prática foi indicada para gestantes e confirmada no guideline da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte.

Realizar atividades físicas traz inúmeros benefícios para a saúde do corpo e da mente e, no caso das gestantes, as vantagens vão desde a redução de riscos durante a gravidez, até na inibição de casos de diabete, dores nas costas, diminuição de tensão durante o dia e melhora da respiração.

“A prática da atividade física é segura e necessária, desde que seja com regularidade e moderação. Mesmo assim os exercícios são indicados tanto para o início da gestação, quando o corpo da mulher ainda está se adaptando para acolher o bebê, durante a gravidez, e, também, no momento do pós-parto, afinal, durante todo esse período os hormônios e o próprio corpo da mãe estão em transformação”, explica a fisioterapeuta e especialista em osteopatia, Débora Ucha.

A realização de atividades físicas deve ter uma regularidade de 3 a 5 vezes na semana e entre os exercícios indicados estão os aeróbicos (como caminhadas e atividades aquáticas), de força e resistência (musculação e o pilates) e o alongamento e relaxamento, através da dança ou ioga, por exemplo.

“Mesmo que a atividade física seja essencial, é necessário que a gestante tenha um acompanhamento de um especialista, no caso das grávidas saudáveis os exercícios são altamente recomendados, mas para as que não mantém um corpo tão ativo, é necessário iniciar de forma lenta e com mais atenção, principalmente no primeiro trimestre”, recomenda Débora.

Além disso, a especialista também afirma que a própria gestante deve avaliar questões sobre vestimenta, conforto no exercício, temperatura do clima e do corpo além de não esquecer, em nenhum momento, de se hidratar durante as atividades.

PARA O BEBÊ

Os benefícios de realizar atividades físicas se estendem também para a saúde do bebê, que por sua vez, podem ter uma qualidade de vida melhor, através de ações da mãe. “Os atos de uma gestante refletem em estímulos para o bebê, seja através de sentimentos, de alimentos e também de ações, como é o caso do exercício físico, por isso que, neste caso, o exercício pode chegar a fazer bem até para o bebê”, detalha a especialista.

Entre as vantagens para ele estão o aumento da circulação sanguínea, desenvolvimento do feto, melhora no sistema cardiovascular, além de ajudar no momento da passagem dele, na hora do parto.

E DEPOIS?

Mesmo depois de ter concebido o seu bebê, é natural que a mulher se sinta mais cansada, estressada e até desconfortável com atividades do dia-a-dia, como caminhar e dormir. Por isso, os exercícios físicos devem acompanhar a mãe neste momento, pois ele vai atuar diretamente na recomposição do corpo e da energia, além de melhorar a postura, minimizar dores e melhorar a autoestima.

“O exercício físico deve acompanhar a pessoa por toda a vida na verdade, mas para a gestante esse é um momento importante, então a minha dica para elas é que se cuidem, que entendam os limites e as necessidades do corpo delas. E para quem está nesse momento de pós-parto, que busque novamente o exercício, seja o pilates, a hidroginástica, uma caminhada ou também, dança ou ioga, afinal, é necessário sempre se manter em equilíbrio”, finaliza Débora.

Anúncios

Os cuidados com a saúde bucal durante a gravidez

Alguns hormônios ao longo da gestação podem aumentar a incidência de problemas na boca

saude-bucal-durante-a-gravidez

Os nove meses de gestação exigem muitos cuidados da mamãe para garantir a sua saúde e a do bebê. Além das consultas frequentes ao obstetra e da realização de exames de ultrassom, a agenda deve incluir visitas ao consultório odontológico. É que alguns hormônios durante a gestação podem aumentar a incidência de problemas na boca, como a gengivite que, se não for tratada corretamente, pode levar à perda dos dentes.

De acordo com a dentista Daphene Ozelame, especialista em odontopediatria e ortodontia, alguns artigos científicos mostram que já foram encontradas bactérias odontopatogênicas dentro do líquido aminiótico de gestantes que tiveram parto prematuro. “No entanto, não podemos afirmar categoricamente que a doença
periodontal seja a causa do nascimento antes dos nove meses nem do baixo peso do bebê. O que sabemos é que o parto prematuro pode ser provocado por diversos fatores, como a pré-eclâmpsia. Esse problema costuma surgir a partir da 20ª semana de gestação e tem como principal característica a elevação súbita da pressão arterial”, explica.

Os cuidados durante a gravidez são os mesmos que os dentistas recomendam para qualquer pessoa: boa escovação, uso do fio dental, alimentação equilibrada e saudável. O aumento das cáries e das doenças gengivais é comum entre as gestantes, principalmente entre aquelas que têm dificuldade de higienizar os dentes. Muitas vezes, o creme dental pode provocar náuseas e vômitos. “Se os vômitos ocorrerem em excesso, o cuidado com a higienização bucal deve ser redobrado. Neste caso, o ácido do estômago entra em contato direto com os dentes e a gengiva e isso pode levar a uma erosão dos dentes. Depois da indisposição é indicado fazer um bochecho para eliminar os restos do fluído”, alerta Daphene.

Por isso, a dentista recomenda às grávidas fazer um pré-natal odontológico para monitorar a saúde bucal e receber orientações de um especialista sobre os cuidados adequados. Daphene destaca que, ao cuidar da boca, a mamãe está garantindo uma gravidez segura, contribuindo para a sua saúde e a do bebê. “É importante lembrar que a formação dos dentes do bebê já está acontecendo neste período. Além disso, durante as consultas, a futura mamãe já receberá dicas sobre como fazer a higienização correta da boca do neném, antes mesmo do nascimento dos primeiros dentes”, diz.

Daphene também alerta para alguns mitos sobre a saúde bucal durante a gravidez. Um deles refere-se ao tratamento dentário. Muitos ainda acreditam que os tratamentos devem ser suspensos. Ela afirma que os seis primeiros meses são os mais indicados para realizar um procedimento e não existe nenhuma restrição em relação ao uso de anestésicos nem à realização de radiografias. “A anestesia local pode ser feita, desde que aplicada por um dentista, que avaliará a melhor alternativa. O mesmo se aplica aos exames de raios X. Podem ser feitos, desde que seja utilizado um avental de chumbo para evitar que a radiação emitida pelo aparelho atinja o feto”, comenta. “Para tratamentos estéticos ou de uma reabilitação extensa, é preciso que o dentista, em comum acordo com a paciente, pese na balança se isso deve ser feito neste período ou se pode ser postergado”, completa.

Outra crença refere-se ao cálcio: a futura mamãe não perde o cálcio dos dentes
durante a gestação. O mineral necessário para a formação dos dentes do bebê
provém da alimentação, por isso eles não sofrem nenhum dano.

Agosto Dourado: Posições para amamentar o bebê de forma correta

Escolher a postura adequada é um dos fatores que mais colabora com o sucesso do aleitamento

posicoes corretas para amamentacao

A amamentação logo nas primeiras horas de vida do bebê acarreta em diversos benefícios para a mãe e o recém-nascido. De acordo com Lavínia Springmann, Consultora da Amamentação da NUK, as mães que amamentam logo após o parto apresentam maior chance de sucesso nas práticas da amamentação. Além disso, o contato da pele da mãe com a do bebê ajuda a prevenir a ocorrência de hipotermia e auxilia na relação entre mãe e filho.

Segundo Lavínia, a posição correta para amamentação é um dos fatores mais importantes para evitar desconfortos futuros. A mãe deve escolher a maneira mais confortável para que o bebê pegue a mama de maneira correta e consiga ingerir maior quantidade de leite.

Confira algumas posições:

Segurar o bebê no colo em posição transversal, “barriga com barriga”, utilizando o braço contrário ao seio em que ele está mamando.

posição para amamentar barriga com barriga
Apoie o bebê no colo em posição transversal, utilizando o braço do mesmo lado do seio em que ele mama.

posição para amamentar transversal
Segure o bebê passando-o embaixo do seu braço, do mesmo lado do seio em que ele está mamando. Sente-se de pernas cruzadas na beira da cama, sofá ou use duas cadeiras.

posição para amamentar embaixo do braço
Coloque o bebê na posição “de cavalinho” em uma das suas coxas, deixando-o de frente para o seio.

posição para amamentar cavalinho
Coloque o bebê em posição paralela ao corpo, elevando ligeiramente sua cabecinha, para ajudar o leite a descer. A recomendação é que a mãe só amamente deitada se estiver bem acordada para não correr risco de acidentes.

posição para amamentar deitada
Use qualquer combinação citada no caso de ter gêmeos e deseje amamentar ao mesmo tempo.

posição para amamentar gêmeos
A pega correta:

A posição certa está diretamente ligada ao sucesso da amamentação e alguns sinais revelam se a pega foi feita de maneira correta:

– O bebê abre bem a boca e abocanha quase toda a aréola;

– A boca do bebê se mantém bem aberta e acoplada ao seio e seu queixo se encosta na parte inferior da mama;

– A aréola fica mais visível acima da boca do bebê do que abaixo;

– O bebê suga, respira e engole o leite de forma natural e coordenada, com sucções lentas e profundas. Suas bochechas ficam arrendodadas.

Orientações:

Os dedos não devem pinçar o seio, nem tocar a aréola. Não é necessário o apoio com a mão, apenas quando os seios da mãe são muito grandes e pesados. É preciso cuidado para não bloquear a descida do leite (não use o dedo em tesoura) e não coloque o dedo na aréola, pois é lá que o bebê deve colocar a boca.

É importante que o bebê arrote depois da mamada, pois engole muito ar enquanto mama que se acumula em seu estômago, causando desconforto. Cada criança tem seu próprio padrão de sucção variando o tempo da mamada, por isso evite controlar esse tempo.

Durante o período de amamentação, é recomendável que a mãe tenha uma dieta equilibrada, rica em cálcio (encontrado nos laticínios), iodo (presente em peixes de água salgada) e aumentar a quantidade de ingestão de líquidos.

Auxílio:

A Concha de Amamentação NUK foi desenvolvida com formato ergonômico e interior em silicone, promovendo o efeito massageador que facilita o aleitamento.

concha de amamentação

Palavras com sons repetitivos, como ‘Gugudada’, incentivam a fala do bebê

Estudo conduzido por pesquisadores escoceses associou o uso de palavras “de bebê”, como repetições e diminutivos, ao aumento de vocabulário

como-estimular-fala-bebe

Ao estar em contato com um bebê, como os adultos tentam se comunicar com ele? Mudando o tom de voz, usando diminutivos e palavras com repetição de sílabas, como “gugudadá”. O que ninguém ainda sabia é que essa pode ser uma boa estratégia para que o neném desenvolva a fala. Pesquisadores europeus descobriram que essas características podem ajudar no processo de aquisição de fala pelos bebês.

O título da pesquisa já dá uma dica: “Por que ‘piuí’ é melhor que ‘trem’?”, em tradução literal. Cientistas da Universidade de Edimburgo, na Escócia, verificaram o vocabulário de 47 crianças entre os 9 e os 21 meses (1 ano e 9 meses), com uma avaliação logo no início, mais uma aos 15 meses, e outra no fim.

Ao longo desse período, os pesquisadores associaram o crescimento do vocabulário à proporção de palavras no diminutivo e com sílabas repetitivas, que eles ouviam. Ao final do estudo, descobriram que, quanto mais palavras os bebês ouviam dessa maneira, mais rápido era o desenvolvimento da linguagem. “Nossas descobertas sugerem que diminutivos e reduplicação, que são frequentemente encontradas nas ‘vozes de bebê’ em diferentes línguas, podem facilitar o estágio inicial do desenvolvimento de vocabulário”, afirma Mitsuhiko Ota, que esteve à frente da pesquisa.

Especialistas concordam e enfatizam a necessidade da criança ser estimulada desde os primeiros meses. “Quanto mais a criança for exposta à linguagem, melhor será para seu desenvolvimento”, afirma a fonoaudióloga Marcella Vidal, da Telex Soluções Auditivas, que é especialista em audiologia. Por isso, aproveite para contar histórias, cantar músicas e dizer o que você está fazendo com ele na hora do banho, de dormir ou em outros momentos do dia. Pode parecer que o bebê não está entendendo nada, mas não se engane: o cérebro dele já está memorizando as palavras.

Perda de audição causa atraso na fala das crianças

perda de audição prejudica fala das crianças

 

O desenvolvimento da fala nos primeiros anos de vida de uma criança pode ser afetado por problemas de audição não diagnosticados. A Marcella Vidal de Freitas, que é fonoaudióloga responsável pela Área Pediátrica da Telex Soluções Auditiva, preparou esse post para orientar e alertar os pais, que devem ficar atentos aos sinais de atraso na linguagem oral nos primeiros dois anos de vida. Para evitar que a criança tenha prejuízos no seu desenvolvimento que podem acarretar em problemas por toda a vida.

Muitos pais só buscam tratamento para o problema de audição dos filhos quando outros sintomas começam a surgir, apesar de o atraso na fala e a falta de diálogo serem os sinais mais evidentes. Diagnósticos equivocados e o costume de esperar que a criança desenvolva o diálogo naturalmente podem causar danos irreparáveis na infância e até na vida adulta; além de atrasar o tratamento do déficit auditivo.

Marcella informa que o quanto antes o tratamento for iniciado, maiores as chances de um bom desenvolvimento infantil, além de melhores resultados no processo de tratamento que possibilitam que o desempenho comunicativo seja alcançado mais rapidamente, muito próximo ao de crianças ouvintes.  Não há por que postergar. A perda auditiva pode ser diagnosticada com uma audiometria, um exame simples que detecta a doença em até 90% dos casos.

É importante destacar que o processo de maturação do sistema auditivo central ocorre durante os primeiros anos de vida. Por isso, a estimulação sonora neste período de maior plasticidade cerebral é imprescindível, já que para o aprendizado da linguagem oral e, consequentemente, o desenvolvimento intelectual, emocional e de habilidades, é preciso que as crianças interajam com seus interlocutores e, assim, estabeleçam novas conexões neurais. É bom lembrar também que há diferenças entre ouvir e escutar. Os sons que entram pelos ouvidos precisam fazer sentido, ter significado.

E mesmo que a criança, quando recém-nascida, não tenha apresentado alterações auditivas no Teste da Orelhinha, ao menor sinal de atraso na fala é importante que ela seja submetida a novos exames, pois a perda auditiva pode ser genética ou progressiva, ou mesmo ser causada por medicamentos ototóxicos, se manifestando, portanto, ao longo da infância. Exames como o PEATE (Potencial Evocado Auditivo de Tronco Encefálico) e o EOA (Emissão Otoacústica) podem detectar o grau de perda auditiva, servindo como ponto de partida para que o médico otorrinolaringologista indique o tratamento mais adequado para cada caso.

Com o passar do anos, por causa da falta de diálogo, a perda auditiva vai afetar a socialização e a autoestima das crianças e pode também prejudicar bastante o seu desenvolvimento cognitivo e a alfabetização. De acordo com o Censo Escolar, entre 2011 e 2016 houve uma redução de 23% no universo de estudantes surdos, o que dá a entender que esse público estaria deixando a escola. Não raro, há pessoas que só identificam a perda auditiva na universidade e descobrem que a dificuldade de aprendizagem ou até mesmo o déficit de atenção diagnosticado na infância era, na verdade, dificuldade para ouvir.

Dados da Organização Mundial de Saúde apontam que aproximadamente 32 milhões de crianças, no mundo inteiro, têm algum tipo de deficiência auditiva, sendo que 40% dos casos ocorrem devido a problemas genéticos e 31% por causa de infecções, como sarampo, rubéola e meningite. No Brasil, segundo dados do IBGE, um milhão dos 9,7 milhões de pessoas que têm deficiência auditiva são jovens de até 19 anos. Estima-se que três em cada 1.000 crianças sofrem com algum tipo de perda auditiva.

Agosto Dourado – Especialista dá dicas de amamentação

Agosto é o mês do aleitamento materno e possui diversas campanhas para incentivar a amamentação

agosto dourado 2018

O estímulo da amamentação exclusiva salva nada menos que 6 milhões de crianças por ano.

Para Cíntia Matieli, consultora de amamentação e fundadora da Mommy’s Angel consultoria materna, “o leite materno é o melhor alimento que um bebê pode receber nos seus primeiros anos de vida, sendo indicado até dois anos ou mais. Sua superioridade orgânica o torna de melhor digestibilidade, sendo o alimento mais completo para promover o crescimento e desenvolvimento infantil”. Além disso, segundo Cíntia, as crianças amamentadas com leite materno também estão mais protegidas contra doenças infecciosas.”, comenta.

Ainda existem muitos tabus e principalmente no que se refere a quantidade de mamadas, por exemplo, por isso, Cíntia preparou dicas para as mamães se sentirem mais confiantes em oferecerem este alimento tão rico ao seu bebê:

  • O bebê deve ser amamentado todas as vezes que desejar. Importante: a mãe deve permitir que a criança mame até o momento em que sentir o peito vazio ou murcho para, só então, oferecer a outra mama.  Muitas mães reclamam que seus filhos choram o tempo todo, que querem mamar a toda hora e que o leite produzido é fraco e, por isso, leva a criança a sentir fome”, explica Cíntia.

 

  • Importante: na verdade, o leite não é fraco. O bebê é que sente fome, uma vez que este alimento é rapidamente digerido.

 

  • As mulheres produzem dois “tipos de leite”: o que se concentra no fundo da mama, rico em nutrientes, capaz de estimular o ganho de peso e o crescimento do bebê; e o localizado mais na parte da frente da mama, rico, principalmente, em água, o que leva a recomendação de que não é necessário oferecer água a criança até o sexto mês de vida.

 

  • É sempre bom lembrar que o bebê deve ser colocado para arrotar, logo após a mamada e, se ele for ficar deitado, deve ser posicionado de lado, pois, caso vomite, não corre o risco de sufocar-se.

 

  • É muito comum as mulheres sentirem dores nas mamas, devido às rachaduras. Para preveni-las, é necessário passar o próprio leite na mama, antes e após dar de mamar. Caso as rachaduras já existam, o leite ajudará a cicatrizá-las. Na maioria das vezes, o que faz o peito rachar é o jeito que o bebê abocanha a mama: sua boquinha deve envolver e abocanhar a aréola do peito, aquela parte redonda e mais escura, localizada ao redor do bico do seio. Se o bebê sugar somente o bico, com o tempo, a mama ficará machucada. Para corrigir as fissuras existentes, além de passar o próprio leite na mama, a pega do bebê, ou seja, o jeito que ele abocanha a mama, também deve ser corrigida.

 

  • Também é comum reclamações de dores nas costas, no pescoço e nos ombros. Por isso, ao amamentar, a mulher deve preferir ambientes tranquilos, posicionar-se de maneira confortável, com a coluna alinhada e os pés apoiados.

 

  • No geral, água morna nas costas durante o banho pode aliviar eventuais dores. Só é preciso lembrar que não se deve deixar cair água quente ou morna nos seios, pois isto pode fazer com que o leite empedre, as mamas fiquem ingurgitadas e a mulher sinta mais dores.

Agosto Dourado – 6 benefícios e dificuldades da amamentação

Agosto é o mês do aleitamento materno

agosto dourado 2018

Ontem se deu início ao Agosto Dourado, que busca mobilizar e conscientizar a população sobre a importância da amamentação, tanto para os bebês, como para as mães.

A cor dourada está relacionada ao alimento ouro para a saúde dos bebês, o leite materno. E o mês de Agosto é todinho dedicado a informar e debater sobre a importância de amamentar. Durante o mês terão palestras e eventos, divulgação de informações no rádio, na TV e na internet sobre os benefícios do aleitamento materno. A lei brasileira também sugere que prédios públicos sejam iluminados com a cor dourada em homenagem à amamentação.

mitos e verdades amamentacao

A amamentação é uma pratica natural, capaz de trazer inúmeros benefícios para o bebê e para a mãe.

O aleitamento materno deve ser exclusivo até os seis meses de vida, sem a oferta de água, por exemplo. O leite materno é um alimento completo e ideal para o bebê, pois ele contém todos os nutrientes em quantidades adequadas e fornece água para hidratação.

O benefícios da amamentação são inúmeros, mas destaquei os seis mais importantes:

1 – Aumenta o vínculo entre mãe e filho;

2 – Ajuda no desenvolvimento motor e emocional da criança;

3 – Faz o útero da mãe voltar mais rápido ao tamanho natural. Com isso, também evita o sangramento excessivo e, consequentemente, que a mãe sofra de anemia;

4 – Ajuda a mulher a voltar mais rapidamente ao peso que tinha antes da gestação, pois consome até 800 calorias por dia (mesmo dando muita fome), e diminui o risco de câncer de mama e de ovário;

5 – Por ser de fácil digestão, provoca menos cólicas nos bebês;

6 – Colabora para a formação do sistema imunológico da criança, previne alergias, obesidade e intolerância ao glúten;

mae-e-filho

Quem dera se a amamentação fosse algo automático, mas não basta instinto materno. Muitas mulheres passam por dificuldades.  É preciso orientação, apoio e muita informação para oferecer ao bebê o alimento mais completo que existe.

Separei também as seis maiores dificuldades enfrentadas na amamentação:

1 – Dor – Pode ser o bico rachado, os seios cheios, ingurgitados, o que pode até evoluir para uma mastite e causar febre alta na mãe. A pega errada é outra causa de sofrimento. – A utilização do próprio leite materno nas regiões afetadas, várias vezes ao dia, auxilia bastante no processo de cicatrização, pomada lanolina, pega correta e, se puder, contar com a ajuda de um profissional

2- Pouco leite – Isso pode acontecer no caso de mulheres que tenham passado por cirurgias mamárias, como as redutoras ou mastopexias. Ou por provável “má pega”, que ocorre quando o bebê coloca somente o mamilo na boca, ele deve colocar toda a aréola na boca do bebê para que possa sugar direitinho. Mas é importante que saiba que não existe leite fraco ou pouca produção. O que pode acontecer é um desequilíbrio causado quando o bebê não suga direito. Pois isso que é preciso ensinar o bebê a mamar do jeito certo.  A mãe deve se alimentar bem e tomar muita água ao longo do dia. Até o bebê nascer, a mãe necessita de líquidos apenas para si. A partir do nascimento, há necessidade de líquidos para ela e para o bebê. E a principal regra da amamentação: quanto mais o bebê mamar, mais leite será produzido.

3 – Bico invertido – Ter o bico do seio voltado para dentro e não para fora pode dificultar a pega do bebê. Nos primeiros dias, poderá ser mais difícil para o bebê manter a pega, mas é possível ajustar a postura, colocar o bebê bem próximo ao corpo da mãe e usar recursos e massagens para tentar protruir os mamilos.

4 – Falta de apoio e críticas –  Contar com a ajuda de familiares e do marido é essencial para uma amamentação tranquila e eficiente. Ler livros específicos e buscar fazer cursos são boas alternativas. Também é possível pedir ajuda nos postos de saúde ou em bancos de leite. A maternidade precisa de menos julgamentos e mais apoio.

5 – Falta de informação e preparo – Ao longo dos nove meses da gestação, alguns pais e mães até se matriculam em cursos sobre o tema. No entanto, nem sempre o conteúdo sobre amamentação é suficiente. Ler e ver vídeos sobre o assunto, vão te ajudar nessa jornada.

6 – Leite empedra – No início, se produz mais leite do que o bebê consome. Nesse caso, pode-se esvaziar as mamas com uma bomba, usar concha de amamentação (ela acondiciona o leite que vaza). É indicado também massagear as mamas antes de amamentar ou até sair parte do leite. Com isso, o leite amolece e o bebê consegue mamar.

Os desafios são muitos, mas, se a sua escolha for amamentar, não dê ouvidos ao que as pessoas falam, palpites que não ajudam em nada, só atrapalham. Encare o desafio. Com informação, orientação e apoio, amamentar é possível. E vai ser a experiência mais incrível da sua vida.

 

Mas é importante lembrar que, apesar dos esforços, muitas mães não conseguem amamentar, por inúmeros motivos. Essa mãe não deve se culpar e muito menos ser julgada. Ninguém sabe as batalhas que cada um enfrenta. Então se você não conseguiu amamentar, ‘TÁ TUDO BEM!”.